Fale com a Margarida

Mande uma mensagem para a Deputada que ela
te responderá em breve.

Gabinetes

Brasília - DF

Câmara dos Deputados Anexo IV, Gabinete 236
CEP 70160-900 Fax: (61) 3215-2236
(61) 3215-3236

Juiz de Fora - MG

Av. Barao do Rio Branco 2370, 1301
Centro - Cep 36016-910
(32) 3236-2857

Fale com a Margarida

Margarida Salomão critica manobra de senadores para acabar com a CLT sem testemunhas

A deputada federal Margarida Salomão (PT-MG) criticou, no início da tarde desta terça-feira (11), a tentativa de senadores de aprovar a Reforma Trabalhista fora do Plenário.

“Senadores golpistas preparam-se para uma sessão subterrânea. Fora do plenário do Senado, recolhem-se em espaço fechado ao público. A vergonha de acabar com a CLT vai ser perpetrada sem testemunhas. Página sombria da história do Brasil”, destacou Margarida Salomão.

A parlamentar esteve no plenário da Casa ao lado de senadoras que ocupam a Mesa Diretora contra o desmonte dos direitos das trabalhadoras e dos trabalhadores.

Gleisi Hoffmann (PT-PR), Fátima Bezerra (PT-RN), Regina Sousa (PT-PI), Lídice da Mata (PSB-BA) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) negociam com a Mesa Diretora para que seja aprovado o destaque que impede que mulheres gestantes trabalhem em locais insalubres.

“A coragem dessas cinco mulheres em denunciar a covardia desse governo com as trabalhadoras grávidas pode ampliar o debate com a sociedade”, analisa a deputada.

Caso o destaque passe no Plenário do Senado, a matéria retornará à Câmara dos Deputados, o que pode permitir a derrubada da matéria e a preservação dos direitos.

Por ordem do presidente da Casa, Eunício de Oliveira (PMDB-CE), o plenário ficou às escuras, o som foi cortado e a segurança recebeu ordem para retirar todos os assessores que acompanhavam a sessão.

DEBATES IMPEDIDOS
As senadoras oposicionistas foram as primeiras a chegar ao plenário na manhã desta terça-feira e foram as responsáveis pela abertura da sessão, pontualmente às 11 horas, como estava agendado.

Exercendo a presidência da sessão, elas pretendiam viabilizar o debate sobre os destaques antes da votação. Tudo corria dentro da normalidade até a chegada do presidente da Casa, Eunício de Oliveira, por volta das 12 horas. Ele exigiu a retirada das senadoras da Mesa. Diante da recusa, o peemedebista declarou encerrada a sessão, mandou desligar o som e apagar as luzes do plenário.

“Uma vergonha. Eunício suprime o debate democrático. Outros senadores golpistas gritam ofensas contra as Senadoras”, resumiu a deputada.