Fale com a Margarida

Mande uma mensagem para a Deputada que ela
te responderá em breve.

Gabinetes

Brasília - DF

Câmara dos Deputados Anexo IV, Gabinete 236,
(61) 3215-5236 - dep.margaridasalomao@camara.leg.br

Juiz de Fora - MG

Av. Rio Branco 2370, 1301, (32) 3236-2857

BELO HORIZONTE - MG
Avenida Barbacena, 1018, sala 805, (31) 3504-9736 margaridasalomao.assbh@gmail.com

Fale com a Margarida

Chega de censura! Margarida entra na Justiça contra sigilo de dados da reforma da Previdência

A deputada federal Margarida Salomão ingressou, nesta terça-feira (23), com mandato de segurança para a suspensão do sigilo dos documentos utilizados para elaboração da reforma da Previdência. O pedido liminar visa impedir o cerceamento de informações imposto pelo Secretário Especial da Previdência e do Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Simonetti Marinho, à solicitação feita pela Folha de São Paulo na semana passada.

Segundo o mandato de segurança, a decisão de Rogério encontra-se em inequívoca inconformidade com a Lei de Acesso à Informação – utilizada pela Folha para subsidiar o pedido de acesso aos dados. Num primeiro momento, o secretário havia argumentado que a privação dos números seria justificada por se tratar de “documento preparatório”.

Contudo, a legislação assegura a abertura de informações mesmo nesse tipo de caso, em particular quando se trata de ato ou decisão já editada – como é o caso da reforma da Previdência, cujas proposições já se encontram em discussão na Câmara. Tais argumentos encontram-se no artigo 7º da lei nº. 12.527/2011 e no artigo 3º do decreto nº. 7.724/2012.

No documento, Margarida lembra também que a decisão do secretário impede que os deputados e deputadas, representantes do povo, fundamentem sua tomada de decisão no democrático processo legislativo, seja em qual etapa for – incluindo a tramitação na Comissão de Constituição e Justiça, como atualmente ocorre.

“Na prática, a decisão de proibir o acesso aos estudos que embasam a reforma da previdência apenas desnuda a face mais autoritária do atual governo. Não há qualquer pretensão democrática. Não se busca fazer justiça. Não se busca cortar privilégios. O verdadeiro objetivo é aprovar uma reforma que destrói a seguridade social do país, atendendo aos interesses do mercado mesmo que seja na marra”, conclui.