Fale com a Margarida

Mande uma mensagem para a Deputada que ela
te responderá em breve.

Gabinetes

Brasília - DF

Câmara dos Deputados Anexo IV, Gabinete 236,
(61) 3215-5236 - dep.margaridasalomao@camara.leg.br

Juiz de Fora - MG

Av. Rio Branco 2370, 1301, (32) 3236-2857

BELO HORIZONTE - MG
Avenida Barbacena, 1018, sala 805, (31) 3504-9736 margaridasalomao.assbh@gmail.com

Fale com a Margarida

“É preciso apresentar provas do que fala”, afirma Margarida Salomão sobre mentiras de ministro

Para a deputada, se não apresentar informações detalhadas, ministro pode estar prevaricando

A deputada federal Margarida Salomão (PT-MG) interpelou o ministro da Educação, Abraham Weintraub, sobre as acusações feitas contra as universidades, durante audiência pública na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (11). A parlamentar lembrou que as declarações do ministro sobre a existência de supostas plantações de maconha e o uso de laboratórios para fabricação de drogas já foram refutadas pelas autoridades.

“Os eventos a que o ministro se refere já foram apurados, tanto sobre a Universidade de Brasília, quanto da Universidade Federal de Minas Gerais. Em Minas, o delegado afirmou que os estudantes envolvidos não eram da UFMG. Na UnB, ficou claro que os pés de maconha não estavam na área da universidade”, afirmou Margarida Salomão. “É preciso apresentar provas além das versões sensacionalistas.”

Brasília- DF. 11-12- 2019- Margarida Salomão interpela ministro da Educação na Comissão de Educação da Câmara (Foto: Lula Marques/PTnaCâmara)

Autora de um dos requerimentos de convocação do ministro, a deputada afirmou que, caso Weintraub tenha informações detalhadas, deve apresentá-las. “O papel de um gestor da educação é apurar, cobrar e impedir esse tipo de prática. Não fazendo isso, e tratando esses casos como fofoca ou memes, o senhor esta praticando prevaricação”, alertou a parlamentar, destacando que casos isolados não devem ser tratados como regra geral nos campi. A prevaricação é um crime que ocorre quando servidor público retarda ou deixa de praticar ato de ofício, ou o pratica contra disposição da lei, visando satisfazer interesse pessoal

De acordo com Margarida Salomão, Abraham Weintraub mostra, à frente do Ministério da Educação, profundo desconhecimento das universidades federais. “O ministro mostra que desconhece o impacto da pesquisa brasileira e internacional, a influência cultural das universidades, a expressividade. É nas universidades que se produz a pesquisa de ponta nacional, e onde se formam os melhores quadros da sociedade brasileira”, concluiu Margarida Salomão.

Leia também: