Fale com a Margarida

Mande uma mensagem para a Deputada que ela
te responderá em breve.

Gabinetes

Brasília - DF

Câmara dos Deputados Anexo IV, Gabinete 236
CEP 70160-900 Fax: (61) 3215-2236
(61) 3215-5236 | (61) 3215-3236

Juiz de Fora - MG

Av. Barao do Rio Branco 2370, 1301
Centro - Cep 36016-910
(32) 3236-2857

Fale com a Margarida

“A luta pelas Diretas Já é a vértebra para toda luta por democracia no Brasil”, afirma Margarida no 55º Conune

A deputada federal Margarida Salomão (PT-MG) participou do debate ‘’A luta pela democracia e as diretas já’’na manhã desta quinta-feira (15), na UFMG, em Belo Horizonte. do primeiro dia do 55º Congresso da UNE.

‘’Só há uma forma de repactuar a democracia, que é ouvindo o povo. Precisamos recompor nossas feridas com o voto na urna. A luta pelas ‘diretas já’ é a vértebra para toda luta por democracia no Brasil, por isso, o momento é de construir uma grande unidade independente das nossas divergências’’, alertou Margarida Salomão.

20170616---Aspas_Une_TW

Entre os convidados estavam Jandira Feghali, deputada federal pelo PCdoB; Washington Quaquá, presidente do PT-RJ; Chico Alencar, deputado federal pelo PSOL;Mauro Bianco, ex-vice presidente da UNE e Beatriz Cerqueira, presidenta da CUT-MG.

Washington Quaquá reiterou a importância da unidade neste momento de crise das instituições políticas. ‘’A democracia no Brasil está em processo de construção e só será concluído pelo povo organizado e lutando por direitos. Exigir eleições diretas é o mínimo que podemos fazer. Precisamos reconstruir um caminho de transformação e combate aos retrocessos através da organização popular’’, falou.

Chico Alencar lembrou que não há revolução sem massificação. ‘’Esse é o desafio da luta: alcançar os diferentes e os indiferentes e aqueles que estão dominados pelo sistema ideológico de reprodução do capital que opera à base do individualismo e não da coletividade’’, disse.

DIRETAS CONTRA AS REFORMAS

As reformas trabalhista e da previdência, parte da agenda perversa de retirada de direitos do governo Temer também foram apontadas como as grandes vilãs do futuro do país. No entanto, foi consenso entre os convidados que somente o povo na rua, lutando por eleições legítimas, será capaz de barrar tais propostas.

‘’Estamos enfrentando uma agenda de reformas muito grave. O momento é um dos mais graves do que tudo que já vivemos. Precisamos compreender que a luta de categoria, seja ela somente sindical ou somente estudantil, não será suficiente. Temos que nos unir e fazer a luta de classes, transformar a luta de cada um na luta de todos nós. Temos que continuar nas ruas para derrubar Temer e esse projeto de país que não queremos’’, enfatizou a presidenta da CUT-MG.

Fonte: UNE