Fale com a Margarida

Mande uma mensagem para a Deputada que ela
te responderá em breve.

Gabinetes

Brasília - DF

Câmara dos Deputados Anexo IV, Gabinete 236,
(61) 3215-5236 - dep.margaridasalomao@camara.leg.br

Juiz de Fora - MG

Av. Rio Branco 2370, 1301, (32) 3236-2857

BELO HORIZONTE - MG
Avenida Barbacena, 1018, sala 805, (31) 3504-9736 margaridasalomao.assbh@gmail.com

Fale com a Margarida

Margarida Salomão apoia a preservação do samba em Juiz de Fora

Neste dia 2 de dezembro é comemorado o Dia Nacional do Samba. O ritmo de origem africana é considerado um traço importante da identidade brasileiro. Para apoiar a preservação da cultura e memória do samba em Juiz de Fora, a deputada federal Margarida Salomão contribui, por meio de emendas parlamentares, com o projeto “Ponto de Samba”. “Essa é uma iniciativa muito importante. Ações como esta retomam o pioneirismo cultural do município, sobretudo na cultura popular”, destaca a parlamentar.

20151202---Samba_SITE
De acordo um dos organizadores do “Ponto do Samba”, o músico e professor Carlos Fernando Cunha, o projeto visa celebrar e preservar a memória do samba na cidade. Em 2015, foi produzido um CD do Ponto do Samba com músicas de compositores consagrados na cidade. Com 12 faixas,  o trabalho mescla autores clássicos como Ministrinho, Alfredo Toschi, Mamão e com outros artistas locais.

Em 2014, também dentro do projeto, foram realizados shows com a presença de diversos sambistas locais como Mestre Jansen, Júnior Sete Cordas, Caetano Brasil, Márcio Gomes, Daniel Manga, Alessandra Crispin, Carlos Fernando, Roger Resende e Juliana Stanzani. O recurso destinado para essas ações, via emenda parlamentar, foi de R$ 200 mil. “ Esse valor possibilitou a efetivação dos eventos e das ações. Ele é necessário, principalmente, pelo resgate da memória musical, mas também para o debate sobre o samba na cidade. Isso, sem citar o CD, que registra e fomenta a produção autoral em Juiz de Fora. É de suma importância ressaltar a iniciativa da Margarida no trabalho para recuperar a memória do samba na cidade”, afirmou Carlos Fernando Cunha.