Fale com a Margarida

Mande uma mensagem para a Deputada que ela
te responderá em breve.

Gabinetes

Brasília - DF

Câmara dos Deputados Anexo IV, Gabinete 236,
(61) 3215-5236 - dep.margaridasalomao@camara.leg.br

Juiz de Fora - MG

Av. Rio Branco 2370, 1301, (32) 3236-2857

BELO HORIZONTE - MG
Avenida Barbacena, 1018, sala 805, (31) 3504-9736 margaridasalomao.assbh@gmail.com

Fale com a Margarida

Margarida Salomão comanda bate-papo sobre os impactos da Reforma da Previdência em Bicas

A deputada federal Margarida Salomão comandou um bate-papo na Câmara Municipal de Bicas sobre as consequências da Reforma da Previdência para os pequenos municípios nesta sexta-feira (05). “O que essa reforma quer é fazer com que as pessoas mais carentes trabalhem ainda mais. Hoje, por exemplo, para definir a sua aposentadoria, a conta é de 80% da média dos seus maiores salários. Eles querem que passe a ser 60% da média de todos os salários, o que leva o valor lá para baixo. De forma geral, o todos os benefícios têm redução de valor e as condições para ter acesso aos benefícios pioram. É cruel”, afirmou a parlamentar.

A deputada reforça as maldades dessa reforma para as pessoas mais carentes, os idosos pobres, da reforma proposta por Paulo Guedes. Hoje, qualquer pessoa que chegue aos 65 anos e prove que não possui condições financeiras, pode pleitear o Benefício de Prestação Continuada (BPC) de um salário mínimo. “O que eles estão propondo é uma coisa cruel. Você poderá pleitear o benefício (BPC) a partir dos 60 anos, mas você vai receber R$ 400. Para receber um salário mínimo, você precisará de completar 70 anos.

 

Impacto nas pequenas cidades

“O que é repassado para os municípios hoje de Benefício de Pensão Continuada (BPC) é igual a metade do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). As aposentadorias rurais, o valor delas, é igual a duas vezes o FPM. E as aposentadorias urbanas são iguais a quatro vezes o valor do FPM. Se o Governo reduzir o BPC e dificultar o acesso a ele, você está tirando dinheiro da economia de Bicas. Tira dinheiro das lojas, do comércio, do dentista. Se você tirar esse dinheiro para ficar com os bancos, você vai quebrar todos os pequenos municípios brasileiros”, destacou.