Fale com a Margarida

Mande uma mensagem para a Deputada que ela
te responderá em breve.

Gabinetes

Brasília - DF

Câmara dos Deputados Anexo IV, Gabinete 236
CEP 70160-900 Fax: (61) 3215-2236
(61) 3215-3236

Juiz de Fora - MG

Av. Barao do Rio Branco 2370, 1301
Centro - Cep 36016-910
(32) 3236-2857

Fale com a Margarida

Margarida Salomão lamenta que a classe política tenha decidido pelo suicídio

“É triste dizer isso, eu sendo deputada, mas penso que a chamada ‘classe política’ decidiu pelo suicídio”, declarou a deputada federal Margarida Salomão nas redes, criticando a aprovação do relatório da Reforma Trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

Para a parlamentar, os senadores optaram por ignorar o que as ruas e as pesquisas apontam: a maioria da população rejeita a proposta do governo.

Em maio, Ipsos e Datafolha divulgaram pesquisa sobre o tema. A maioria dos entrevistados pelo Ipsos, 58%, manifestaram-se contrários às mudanças. O Datafolha constatou um grande pessimismo: 58% dos entrevistados disseram que ela acarretará em menos direitos aos trabalhadores e 64% avaliaram que ela trará mais benefícios aos empresários do que para os trabalhadores.

Na consulta pública do Senado, 131.142 participantes não concordam com a reforma e apenas 5.836 se manifestaram a favor.

“Ninguém quer a Reforma Trabalhista, exceto esse pequeno grupo de políticos”, afirmou a deputada.

Margarida também criticou a nomeação apressada de Raquel Dodge para o comando da Procuradoria-Geral da República, uma procuradora claramente antagônica ao atual Rodrigo Janot, que apresentou a denúncia contra Temer.

A denúncia, por crime de corrupção passiva, foi lida na Câmara na tarde dessa quinta. O presidente será notificado e o processo encaminhado à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara e, posteriormente, ao Plenário. Para que o processo criminal contra Temer seja aberto no Supremo Tribunal Federal (STF), 342 dos 513 deputados precisam aprovar a denúncia, mas não há grandes expectativas sobre esse desfecho.

“Diante de tantas trapalhadas, tantas afrontas, o que a sociedade pode pensar? Que na Câmara não há vida séria, que os parlamentares não levam em conta o que o povo deseja”, comenta a deputada convocando a população a se manifestar nas ruas nessa sexta, 30 de junho, com atos programados em todo o país.