Fale com a Margarida

Mande uma mensagem para a Deputada que ela
te responderá em breve.

Gabinetes

Brasília - DF

Câmara dos Deputados Anexo IV, Gabinete 236,
(61) 3215-5236 - dep.margaridasalomao@camara.leg.br

Juiz de Fora - MG

Av. Rio Branco 2370, 1301, (32) 3236-2857

BELO HORIZONTE - MG
Avenida Barbacena, 1018, sala 805, (31) 3504-9736 margaridasalomao.assbh@gmail.com

Fale com a Margarida

Margarida Salomão participa do lançamento da  Frente Parlamentar em Defesa da Agroecologia

A deputada federal Margarida Salomão participou nesta segunda-feira (16) do lançamento da  Frente Parlamentar em Defesa da Agroecologia, Agricultura familiar e Segurança alimentar, no auditório José de Alencar, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em Belo Horizonte. “Estou aqui para, como deputada, dizer que nós não admitiremos nenhum recuo das conquistas adquiridas no início do século XXI e estão sob forte ameaça com o desgoverno Bolsonaro. Vamos lutar contra o envenenamento da terra, da água. Mais do que nunca, nesse estado, estado dos crimes de Brumadinho e Mariana, essa luta é extremamente necessária.  Temos que valorizar alternativas para o desenvolvimento social, ambiental e econômico. Contem conosco e conte com o nosso mandato. Essa é uma luta essencial para a sociedade brasileira”, destacou a parlamentar.

A professora da Universidade Federal de Viçosa e integrante da Associação Brasileira de Agroecologia Irene Maria Cardoso fez um panorama da história da agricultura no país, marcada pelo modelo técnico-científico incluído no pacote de políticas públicas da Constituição de 1988. Segundo ela, o conhecimento científico e o popular precisam andar juntos.

“Esse modelo nos foi vendido prometendo aumento da produtividade para acabar com a fome do mundo. Porém a fome e a má nutrição persistem, mesmo com a taxa de produção de alimentos ultrapassando a população mundial. A questão não é a superpopulação, mas sim a pobreza. E esse modelo atual de agricultura é compromissado com os lucros”, explicou.

A pesquisadora conceituou a agroecologia como um campo do conhecimento transdisciplinar que estuda os agroecossistemas para desenvolvimento das relações entre capacidades produtiva, equilíbrio ecológico e eficiência, tornando o sistema alimentar mais sustentável. “Precisamos de uma agricultura com menos agrotóxicos. Como fazemos isso? Introduzindo inimigos naturais das pragas para atuarem, no lugar de usarmos químicos. É possível de ser feito e teremos comida mais saudável nas nossas mesas”, pontuou.

O superintendente de Integração e Segurança Alimentar da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese), Henrique Oliveira Carvalho, ressaltou a necessidade de fortalecimento de órgãos como a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater), o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), que são os “braços operacionais do Estado” na área de agricultura familiar. “Sem esses braços e recursos humanos e financeiros, não dá para entregar o que precisamos. Tem um concurso da Emater que está para chamar pessoas e não conseguimos. Contamos com a ALMG para nos ajudar a universalizar essas políticas para todo o Estado”, completou.

Questão agrária – A diretora do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), Ester Hoffmann, ressaltou que no País terra sempre foi sinônimo de poder, concentrada na mão de poucos. “Falar em agroecologia é falar em questão agrária. Os poderosos implementaram esse modelo de agricultura pautado no agronegócio, pensando em lucro. Os pequenos agricultores querem produção de vida, a agroecologia é esse modelo. É possível sim alimentar a humanidade de forma saudável”, completou.

Compareceram à reunião os deputados Andréia de Jesus (Psol), Antonio Carlos Arantes (PSDB), Cristiano Silveira (PT), Beatriz Cerqueira (PT), Professor Cleiton (PSB), Betão (PT) e Leninha (PT), além dos deputados federais Margarida Salomão (PT-MG), Padre João (PT-MG), Leonardo Monteiro (PT-MG), Vilson Luiz da Silva (PSB-MG) e Rogério Correia (PT-MG). Eles exaltaram a agricultura familiar e destacaram a necessidade de incentivá-la.

Os deputados anunciaram a criação, na ALMG, da Frente Parlamentar em Defesa da Agroecologia, Agricultura Familiar e Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável, para apoiar e fortalecer a luta das entidades, movimentos e coletivos da sociedade civil que atuam nessas áreas.

O deputado federal Vilson Luís da Silva destacou que, atualmente, a agricultura no Brasil está sendo colocada “dentro de um pacote”, mas a agricultura familiar nunca será a mesma coisa que o agronegócio. “Nós estamos preocupados com a natureza, o governo federal não. Queremos colocar na mesa do povo alimentos saudáveis e seguros”, declarou. A deputada Leninha enfatizou que a Frente Parlamentar trabalhará para que Minas se torne um Estado referência para a segurança alimentar

*Com informações da ALMG