Fale com a Margarida

Mande uma mensagem para a Deputada que ela
te responderá em breve.

Gabinetes

Brasília - DF

Câmara dos Deputados Anexo IV, Gabinete 236,
(61) 3215-5236 - dep.margaridasalomao@camara.leg.br

Juiz de Fora - MG

Av. Rio Branco 2370, 1301, (32) 3236-2857

BELO HORIZONTE - MG
Avenida Barbacena, 1018, sala 805, (31) 3504-9736 margaridasalomao.assbh@gmail.com

Fale com a Margarida

Pimentel defende pesquisa e inovação para “agricultura do futuro”

O candidato a governador pela coligação Minas Pra Você, Fernando Pimentel (PT), assegurou que, se eleito, vai fortalecer as atividades de pesquisa agrícola, inovação e extensão rural para fortalecer a cadeia do agronegócio no estado, abrindo caminho para a “agricultura do futuro”.

Segundo o candidato, sua administração vai estimular a integração entre entidades do setor, universidades, produtores rurais e todas as esferas do poder público. Pimentel participou de encontro com produtores rurais na sede da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), em Belo Horizonte, no dia 2 de setembro.

“A agricultura tem que ser prioridade. Não a agricultura atrasada, mas a agricultura moderna que nós queremos, com mais competitividade e mais produtividade. Minas tem plenas condições de chegar a isso, usando os programas do governo federal, que nestes últimos 12 anos foram pouco aproveitados pelo governo do estado”, declarou.

O objetivo, segundo Pimentel, é levar a inovação ao campo e aumentar a produtividade do setor. O candidato disse também que pretende rever a política tributária e melhorar a infraestrutura das rodovias para facilitar o escoamento da produção e aumentar a competitividade da agricultura.

O candidato também apresentou suas propostas gerais de governo aos produtores rurais, baseadas na regionalização de ações e na participação ativa da sociedade civil na gestão das políticas públicas.

Para fortalecer o agronegócio, Pimentel lembrou que é fundamental reavaliar e fortalecer os órgãos e empresas estatais que atuam na questão agrária, como a Empresa de Pesquisa Agropecuária (Epamig), a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) e a Ruralminas.

A meta é que a Epamig, empresa de pesquisas do setor, dialogue mais com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa, empresa de pesquisa agropecuária do governo federal) e com as universidades federais de Minas Gerais.

“Vamos direcionar recursos da Fapemig (Fundação de Amparo e Pesquisa do Estado de Minas Gerais) para fomentar as pesquisas da Epamig. E a Emater tem de cumprir sua função de apoiar o produtor rural, trazendo a inovação para os produtores”, explicou Pimentel.

A integração com as universidades é outro ponto-chave para o setor, segundo o candidato. Minas Gerais conta hoje com 17 instituições de ensino superior – algumas das quais são verdadeiras ilhas de excelência para a agropecuária, como Lavras e Viçosa.

De acordo com Pimentel, as universidades podem atuar como uma ferramenta de desenvolvimento agrícola no estado, realizando pesquisas de melhoramento genético, por exemplo. “Vamos conectar as empresas do estado com a comunidade acadêmica para desenvolvermos a agricultura do futuro”, frisou.

Para a melhoria da infraestrutura, Pimentel falou que trabalhará ao lado do governo federal no Programa de Rodovias e Ferrovias. “Minas Gerais tem a maior quilometragem de estradas federais do país. O governo do estado não fez nenhuma parceria com o governo federal. Nós vamos fazer. Vamos pensar juntos o melhor traçado para Minas”, afirmou.

Sobre a questão das terras ocupadas em Minas Gerais, Pimentel assumiu o compromisso de montar um grupo de trabalho com representantes da Faemg, do Judiciário e dos movimentos sociais para negociar as desocupações e buscar soluções para as pessoas que vivem nestes locais.

Para ele, seria possível efetivar um pacto com os movimentos sociais para as desocupações, a partir do uso de terras devolutas ou da inserção das famílias em programas de habitação. “Isso tem que ser feito de forma negociada, pactuada. O estado não pode simplesmente impor uma decisão como vontade dele. A solução terá de ser construída em conjunto, com os movimentos e com os proprietários rurais”, ressaltou.

Pimentel13

09-03-Pimentel_Agricultura