Fale com a Margarida

Mande uma mensagem para a Deputada que ela
te responderá em breve.

Gabinetes

Brasília - DF

Câmara dos Deputados Anexo IV, Gabinete 236
CEP 70160-900 Fax: (61) 3215-2236
(61) 3215-3236

Juiz de Fora - MG

Av. Barao do Rio Branco 2370, 1301
Centro - Cep 36016-910
(32) 3236-2857

Fale com a Margarida

Margarida Salomão diz que a Constituição Cidadã completa 30 anos mutilada

“A Constituição de 88 chega aos seus 30 anos com uma mutilação no seu caráter de Constituição Cidadã”, afirmou a professora e deputada federal Margarida Salomão, na sua participação no VII Seminário Discente do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da UFMG, na última quinta-feira (08).

Para a parlamentar, a Emenda Constitucional 95, que congela os investimentos sociais por 20 anos, contraditoriamente, sacrifica os direitos sociais do povo brasileiro especificados no artigo 6º da Carta Magna. “A Emenda Constitucional do Teto de Gastos compromete duramente a capacidade do Estado de prover seus serviços ao cidadão. Um estado mínimo, mas só para gastos sociais”, explicou a deputada, ressaltando que os gastos com a dívida pública continuam crescendo de forma assustadora.

Margarida citou as outras iniciativas que estão tramitando no Congresso Nacional e ameaçam direitos conquistados na Constituição: reforma da Previdência, cerceamento da autonomia docente com a chamada Escola Sem Partido, “desmarcação” das terras indígenas, criminalização dos movimentos sociais, entre outros.

A deputada alerta que o novo governo, embora tenha anunciado que pretende respeitar a Constituição, já declarou uma guerra de extermínio àqueles que considera seus inimigos, como é o caso da esquerda, especialmente o PT, de todos os grupos minoritários que lutam por seus direitos e se colocam contra ele e, até, da imprensa, quando esta realiza matérias com um tom um pouco mais crítico. “Há uma diferença entre regime e governo fascistas. Hoje, nós temos um governo fascista, com um programa fascista e anúncios fascistas, que pode ser que se transforme em um regime fascista”, completa.

Com todas as críticas que se pode e se deve fazer, Margarida Salomão acredita que é fundamental defender o Parlamento e o Poder Judiciário. E a universidade tem um papel fundamental neste período “obscurantista” e “anti-intelectual”. “Não vejo outra saída a não ser a luta. A luta em defesa da Constituição, pela igualdade. Uma luta inevitável para assegurar a democracia”, encerrou a professora ao fazer sua exposição no painel “Constitucionalismo e Dependência: 30 anos de uma Constituição moderna na condição periférica”.

Também compuseram a mesa os professores David Francisco Gomes e Thales Carvalho da UFMG.