Fale com a Margarida

Mande uma mensagem para a Deputada que ela
te responderá em breve.

Gabinetes

Brasília - DF

Câmara dos Deputados Anexo IV, Gabinete 236
CEP 70160-900 (61) 3215-5236 dep.margaridasalomao@camara.leg.br

Juiz de Fora - MG

Av. Barao do Rio Branco 2370, 1301
Centro - Cep 36016-910
(32) 3236-2857

BELO HORIZONTE - MG
Avenida Barbacena, 1018, sala 805, Santo Agostinho CEP 30190-131
(31) 3504-9736 margaridasalomao.assbh@gmail.com

Fale com a Margarida

“Quem propõe o Future-se é uma pessoa despreparada e mal-intencionada”, afirma Margarida Salomão

A deputada federal Margarida Salomão participou na última segunda-feira (09) da audiência pública da Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), sobre o programa Future-se, do Ministério da Educação. “Isso é uma cortina de fumaça para o bloqueio de verbas para a educação,  fruto da Emenda Constitucional 95. A EC 95 foi um erro ideológico. Não há um país no mundo que tenha feito isso. Essa emenda é uma camisa-de-força para o orçamento. Além disso, quem propõe o Future-se é uma pessoa completamente descolada do presente. Despreparada e mal-intencionada”, disparou a parlamentar sobre o atual ministro da Educação, Abraham Weintraub.

 

Margarida Salomão participa da audiência pública sobre o Future-se

 

Estrangulamento financeiro

Margarida Salomão reforça que a asfixia financeira ao Ensino Público é um risco à soberania nacional. “Isso é um ato de lesa pátria. Vou dar um exemplo. Nós já chegamos a ter o melhor futebol do mundo porque em todo canto tem gente jogando bola. Nós podemos ter uma base social espalhada da ciência, mas estamos cortando bolsas de R$ 100 da nossa ‘categoria de base’, os meninos e meninas do Ensino Fundamental e Médio, por meio do CNPq”.

A presidenta da subcomissão especial de financiamento de Ciência e Tecnologia finalizou a sua fala reforçando a mudança do perfil do alunato nas Universidades nos últimos anos. “Nós estávamos em processo de expansão. Hoje, o povo chega na Universidade para estudar, mais 70% dos alunos são de baixa renda. Manter nas universidades essa nova população significa defender a soberania nacional. A universidade tem se tornado uma bandeira da luta brasileira”.

Alta rejeição ao programa

Anunciado no último mês de julho, o plano prevê a entrada de capital privado nessas instituições, por meio, entre outras iniciativas, de fundos patrimoniais, do registro de patentes, da cessão de naming rights de espaços e de parcerias com organizações sociais (OSs), entidades privadas sem fins lucrativos. Várias universidades já se manifestaram contra a adesão ao programa, que será voluntária, entre as quais as universidades federais de Minas Gerais (UFMG), de Juiz de Fora (UFJF) e de São João del-Rei (UFSJ). “A melhor atitude que as universidades podem fazer é rejeitar o Future-se. Inclusive para pressionar o Governo a focar naquilo que deve ser o objetivo estratégico: um projeto de sustentação das Universidades. Estamos dispostos a discutir tudo, mas o Future-se não resolve nenhum problema e cria muitos outros. É uma falsa solução para um falso problema”, destaca a parlamentar.